Lição 05 - Qual a Melhor Tradução da Bíblia? - Conecteca da Vida

QUAL É A MELHOR TRADUÇÃO DA BÍBLIA?

Por Conecteca da Vida

OBJETIVO DA LIÇÃO:

 

O objetivo desta lição é introduzir o aluno na boa prática de conhecer e conferir as traduções da Bíblia sendo capaz de determinar o texto original e de pesquisar sobre o assunto, demonstrando assim cuidado com a Palavra de Deus.

 

INTRODUÇÃO

 

Esta não é uma lição comum para iniciantes. Na verdade hesitei bastante em publicá-la! Mas visto que será de significativa importância o aluno ficar pelo menos informado da existência do assunto, aqui deixarei uma brevíssima introdução ao tema.

 

Nesta aula trataremos das discrepâncias nas traduções da Bíblia, como no Novo Testamento estas discrepâncias são mais frequentes que no Antigo Testamento, nos concentraremos em tratar prioritariamente das traduções do Novo Testamento.

DESCOBRINDO O PROBLEMA

 

Imagine que você está preparando uma mensagem em Romanos 10.4 e você tem duas traduções da Bíblia em sua casa para se basear. São elas:

 

ACF – Tradução Almeida Corrigida Fiel

”Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê”.

 

NTLH – Nova Tradução na Linguagem de Hoje

“Porque, com Cristo, a lei chegou ao fim, e assim os que crêem é que são aceitos por Deus”.

 

Note a parte sublinhada do versículo.

 

Qual o significado da palavra “fim” em ambas as traduções? Teria “fim” o sentido de “encerramento”, isto é, “acabou”, “não existe mais”? Seria o sentido de “consumação” ou “cumprimento”, isto é, Cristo cumpriu as exigências da lei? Ou de “propósito”, “finalidade”, isto é, o propósito da lei foi nos conduzir à Cristo?

 

Você está confuso! Daí você procura um irmão que tem mais bíblias que você ou mesmo vasculha traduções bíblicas na internet e descobre que existem mais traduções diferentes, como:

 

NVT – Nova Versão Transformadora

Pois Cristo é o propósito para o qual a lei foi dada. Como resultado, todo o que nele crê é declarado justo.

 

Romanos 10:4 – NVI – Nova Versão Internacional

Porque o fim da lei é Cristo, para a justificação de todo o que crê.

 

Romanos 10:4 – KJA – King James Atualizada

Porque o fim da Lei é Cristo, para justificação de todo o que crê.

 

Romanos 10:4 – Ave Maria – Católica

Porque Cristo é o fim da lei, para justificar todo aquele que crê.

 

Romanos 10:4 – TNM – Tradução Novo Mundo – Testemunhas de Jeová

Porque Cristo é o fim da Lei, para que todo aquele que exercer fé possa ter justiça.

 

Agora já é possível iniciar uma comparação, mas ainda falta você saber o porquê de tanta diferença e, sabendo, fazer uma escolha correta ou mesmo, fazer a sua própria tradução.

 

Supondo que você não tivesse à sua disposição tantas bíblias, supondo que tivesse somente na NTLH, você leria:

 

“Porque, com Cristo, a lei chegou ao fim, e assim os que crêem é que são aceitos por Deus”.(Rm. 10.4)

 

Se você fosse precipitado, do tipo de pregador que não se importa com a verdade e se rejeitasse a boa preparação, você iria pregar para os irmãos que a Lei não tem mais qualquer valor, que ninguém precisa se preocupar em conhecer a Lei de Deus. Você se tornaria um antinomista(sem lei).

 

Percebe o que está acontecendo? É por isso que mesmo hesitando em publicar esta aula para iniciantes me arrisquei, dada a seriedade deste assunto na interpretação da Bíblia.

 

AS RAZÕES DO PROBLEMA

É preciso que você se lembre aqui de duas afirmações:

  • NÃO EXISTE MAIS O TEXTO ORIGINAL DO NOVO TESTAMENTO
  • TODA TRADUÇÃO É UMA INTERPRETAÇÃO.

1. NÃO EXISTE MAIS O TEXTO ORIGINAL DO NOVO TESTAMENTO

Essa não é uma boa notícia, mas não há motivos para se desesperar, já que temos cópias confiáveis. Aqui vai um pouquinho de história para tentar ajudá-lo.

O texto original é também chamado de “autógrafo” – escrito pelo próprio autor na língua original(grega, no caso do NT). Exemplo:  a primeira carta de João, escrita por ele mesmo, isso é um autógrafo. Embora não existam mais esses autógrafos, eles podem ser “remontados”, “recuperados” ou “definidos” usando as várias cópias de manuscritos(textos gregos escritos à mão) que temos. Atualmente existem cerca de 5.700 cópias em grego e mais de 9.000 em outras línguas. Imagine o que é analisar isso tudo. Cada um desses cadernos(códices) contendo uma cópia deve ser analisado e feita anotações no rodapé das páginas criticando(explicando) sobre erros, história e outras coisas(isso é chamado de aparato crítico).

O texto bíblico que temos é fruto de muitas cópias do original. Em outras palavras, foram cópias de cópias de cópias… feitas por diversos escribas(profissionais que copiavam manuscritos ou escreviam textos ditados) e guardados por diversas comunidades até que enfim, foram traduzidos os manuscritos para outras línguas e assim temos hoje nossas bíblias em português.

Colocando isso de forma mais cronológica seguindo as correntes de textos gregos, ficaria assim:

TEXTO CRÍTICO

A maioria das bíblias que temos hoje são traduções dos manuscritos mais antigos, datados dos 6 primeiros séculos. São pouquíssimos manuscritos em comparação com o restante de manuscritos encontrados. A alegação mais comum para se ter usado esses textos gregos para a tradução das bíblias modernas é a de que sãos baseados em manuscritos mais antigos.O conjunto desses textos são chamados de Texto Crítico ou Texto Eclético.

As bíblias no português que usam esse texto são: ARA, NVI, NTLH e partes da ARC.

 

TEXTO MAJORITÁRIO

O Texto Majoritário é chamado também de Texto Bizantino e compõe a vasta maioria de manuscritos preservados. Embora componha a maior parte, em português nós temos apenas uma tradução do texto majoritário para o português, que por sinal indicamos aos alunos deste curso, é o Novo Testamento Interlinear Analítico. Há diversas razões para o indicarmos, mas basta ver nossa playlist sobre Manuscritologia no canal Conecteca da Vida para se inteirar melhor do assunto.

 

TEXTUS RECEPTUS

A outra corrente textual é chamada de Textus Receptus, ou Texto Recebido. Esta série de textos serviu de base para traduções dos séculos XVI ao XIX principalmente.  São também textos bizantinos, mas possuem diferença do Texto Majoritário nas passagens de Atos 8:37 e em 1 João 5:7-8.

O Texto Recebido foi usado na Reforma Protestante e nas traduções subsequentes até o séc. 17, antes da edição do Novo Testamento de John Fell. Com esta edição de Fell o texto grego do novo testamento afastou-se bastante do Texto Recebido.

2. TODA TRADUÇÃO É UMA INTERPRETAÇÃO.

Toda tradução envolve interpretação. Você pode ver claramente isso no texto de Romanos 10.4 nas traduções NTLH e NTV como está acima.

Esse é o caráter da própria tradução, não há como fugir disso. Em outras palavras, só é possível fazer tradução se de alguma forma você interpretar o texto.

A conclusão que chegamos sobre as traduções é que ELAS NÃO SÃO PERFEITAS. Por mais que você goste de uma tradução, ela precisa ser comparada com outras.

 

UMA SOLUÇÃO PRÁTICA E CONSISTENTE

A boa notícia diante de tudo o que já foi dito é que, sim, podemos chegar ao texto original se formos cuidadosos.

Para isso é preciso observar dois pontos: a corrente textual e o método de tradução.

  • A CORRENTE TEXTUAL UTILIZADA

O debate que existe entre as correntes textuais(Texto Crítico, Textus Receptus e Texto Majoritário) é amplo e não é possível tratar aqui. Mas faz-se necessário pontuar algumas coisas sobre o Novo Testamento:

  • Todas as bíblias em português têm seguramente uma tradução de quase todo texto original.
  • Alguns autores são favoráveis às bíblias que usam o Texto Crítico. Dentre estes recomendamos a leitura do livro “Entendes o que Lês?” do autor Gordon D. Fee.
  • Outros autores defendem o Texto Majoritário/Texto Receptus. É o caso do Dr Wilbur Norman Pickering. Abaixo você vê uma tabela do Dr Pickering apontando a porcentagem que de cada texto e suas bíblias correspondentes:
tabela do texto grego

Se levarmos em consideração que o Dr Pickering está correto em entender que a “Família 35”, pertencente ao Texto Majoritário, é uma cópia fiel do texto original, então o Textus Receptus possui 98% e o Texto Crítico 92% do texto original.

Segue na mesma tabela o texto usado nas bíblias modernas. No caso da tabela, a bíblia Almeida e Corrigida(ARC) não está lista, mas ela é uma “mistura” do Textus Receptus com o Texto Crítico.

O texto do Dr Pickering pode ser baixado no site http://prunch.net.

  • O MÉTODO DE TRADUÇÃO UTILIZADO

Se o ponto anterior permanece um tanto confuso para você não se preocupe, este tópico aqui é mais fácil e você poderá começar a praticá-lo agora mesmo.

Há dois métodos de tradução: Equivalência Formal e Equivalência Dinâmica. É preciso saber como sua bíblia foi traduzida.

Equivalência Formal

É um método de tradução mais literal. Tem a intenção de traduzir as palavras como elas significavam para o autor do texto original e para seus ouvintes. Vamos observar uma palavra e através deste exemplo você poderá compreender facilmente.

Em Filemon 1.20 está escrito:

“Sim, irmão, eu me regozijarei de ti no Senhor; recreia as minhas entranhas no Senhor” (ACF)

Equivalência Dinâmica

No método de Equivalência Dinâmica os tradutores procuram encontrar o sentido do texto e colocam palavras com sentido correspondente para a cultura dos leitores. Veja o mesmo texto por uma tradução de equivalência dinâmica.

Filemon 1.20

“Sim, irmão, que eu receba de ti, no Senhor, este benefício. Reanima-me o coração em Cristo”. (ARA)

Comparando os dois métodos:

Note as palavras sublinhadas.  A ACF traduz como “entranhas”, enquanto a ARA traduz como “coração”. A Palavra no original é “σπλάγχνα” (transliterado: splagchnon) e significa literalmente entranhas, víceras, intestinos.

“recreia as minhas entranhas”(ACF) é uma expressão estranha para nós hoje, mas para os ouvintes de Paulo não. Para eles significava o que nós chamamos hoje de “coração”, como traduz a ARA.

Como este exemplo acima há muitos na Bíblia toda, então é importantíssimo que o aluno aprenda desde já a prática de observar as traduções e compará-las.

OBS: Cuidado redobrado com Bíblias que não são paráfrases. Elas não são traduções e podem facilmente conduzir o ouvinte à graves enganos. A título de citação mencionamos a Bíblia “A Mensagem”.

CONCLUSÃO

Esta pode ter sido uma aula difícil, mas acredite, é extremamente necessária.

Para concluir esta breve aula, vamos deixar algumas afirmações das quais você não pode esquecer:

  • OS ORIGINAIS(AUTÓGRAFOS) FORAM INSPIRADOS POR DEUS

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça” – 2 Timóteo 3.16

Em outras palavras, TRADUÇÕES NÃO SÃO INSPIRADAS. Você pode gostar mais de uma tradução ou de outra, você pode gostar mais da Nova Versão Internacional(NVI) do que da Almeida Revista e Corrigida(RC), pode gostar mais da Almeida Revista e Atualizada(RA) que de outra qualquer, mas você não pode dizer que tal tradução é inspirada.

2. AS BOAS TRADUÇÕES, EMBORA NÃO SEJAM INSPIRADAS, NOS APRESENTAM O SENTIDO VERDADEIRO DO TEXTO ORIGINAL

Com o uso e o estudo de boas traduções, você terá o texto inspirado e autoritativo da Palavra de Deus, sem qualquer margem de dúvida.

  1. DEFINA O TEXTO ORIGINAL E SEU SENTIDO NOS DIAS ATUAIS ANTES DE PREPARAR SEU SERMÃO.

No preparo de um sermão você precisa sobretudo interpretar bem o texto em que está se baseando, por isso, compare as traduções que você tem acesso, pesquise, até chegar ao texto original e ao sentido que o texto tem hoje. Só então depois, você continua no preparo do seu sermão.

INTERPRETAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS

nova doutrina

Figurinha tirada do livreto “Manual para Pregadores Iniciantes” da Edições Vida Nova

Aulas de Reforço em Vídeo

Deixe seu comentário aqui (Dúvidas e Questionamentos serão respondidos somente aqui)